A entrega de novos porta-contentores acumulará uma capacidade de 1-1,2 milhões de TEU em 2018, de acordo com a Drewry. Um crescimento que será menor do que o da procura, acrescenta.

Em Outubro de 2017, a Drewry previa para o ano corrente um crescimento da frota de porta-contentores novos de 1,6 milhões de TEU. Somando as entregas adiadas de anos anteriores, o total esperado para o ano ficava próximo dos 1,8 milhões de TEU.

No entanto, no prazo de seis meses, as companhias reduziram o total de entregas previstas para 2018 em cerca de 600 mil TEU, fechando a contas nos cerca de 1,2 milhões de TEU agora previstos pela Drewry.

A nova previsão de crescimento da oferta para 2018 é menor do que o esperado para a procura, de acordo com a consultora, o que significa que o índice global de oferta e procura deverá subir este ano. O mercado ainda terá excesso de oferta, mas, de acordo com a Drewry, não será uma situação dramática e mostrará sinais de melhoria.

“Embora estejamos a antecipar um cenário de oferta mais favorável para 2018, seria negligente não mencionar que as pressões ainda existirão e que variarão de severidade de rota para rota como consequência da crescente quota de navios ULCV de 18 mil TEU ou mais na carteira de encomendas”, indica o a nota da consultora.

Para os próximos anos, os baixos níveis de encomendas em 2016 e 2017 significam que não há muitas entregas de novos navios agendadas para 2019 e que a maioria virá de adiamentos e atrasos de anos anteriores.

A Drewry prevê, outrossim, que a partir de 2020 haverá necessidade de novas construções adicionais para satisfazer o crescimento esperado da procura.

 

 

 

Comments are closed.