A DFDS vai investir cerca de 400 milhões de coroas dinamarquesas na instalação de filtros, elevando para 12 os navios capazes de cumprir com os limites de emissões de enxofre a partir de 1 de Janeiro de 2015.

O sistema foi testado nos últimos anos num navio da companhia. Agora será instalado em outros três, ainda este ano, e em mais oito, no próximo. Outros oito navios capazes de receber os filtros deverão também ser adaptados no futuro.

Com a instalação dos filtros (“scrubbers” na linguagem técnica), a DFDS espera cumprir o limite máximo de emissões de enxofre de 0,1%, que a União Europeia e a IMO decidiram impor na SECA em 2015.

A SECA, ou Área Especial de Controlo de Emissões, abrange as águas do Báltico, do Mar do Norte e da Mancha, precisamente a zona de actuação da DFDS.

Apesar de dispendiosa, a instalação dos filtros resulta mais barata que a utilização de combustíveis com baixo teor de enxofre, a outra forma de garantir o cumprimento dos limites de emissões.

A utilização dos filtros deverá permitir também conter os sobrecustos das imposições ambientais, evitando o encarecimento do transporte marítimo e, logo, o regresso às estradas de cargas que entretanto foram conquistadas pelo short sea shipping.

O CEO da DFDS lembra, no entanto, que nem todas as companhias têm capacidade para investir em filtros, e que nem todos os navios são adaptáveis, pelo que importará encontrar soluções alternativas, ainda que temporárias, para esses operadores e esses navios.

Comments are closed.