A DHL Express e a ANA – Aeroportos de Portugal assinaram hoje o acordo para a construção do novo terminal da operadora logística no aeroporto de Lisboa, que funcionará a partir do segundo semestre de 2020.

DHL investe 40 milhões no aeroporto de Lisboa

As obras da nova plataforma da DHL Express poderão iniciar-se a partir de 1 de Janeiro do próximo ano, num terreno que ultrapassa os 21 mil metros quadrados, sendo a área de construção de cerca de 11 mil metros quadrados, referiu José António Reis, director-geral da DHL Express, após a assinatura.

O contrato hoje assinado é válido por 25 anos e representa um investimento global da DHL Express na ordem dos 40 milhões de euros.

Com a nova plataforma, a operadora expresso espera quadruplicar a sua capacidade de processamento para 6 500 peças por hora.

Uma vez que a plataforma terá acesso à placa do aeroporto, a DHL Express assumirá o handling das suas cargas, o que lhe permitirá ganhar “cerca de uma hora a uma hora e meia”, o que significa “colocar a mercadoria de forma mais rápida na rua” resumiu o director-geral à “Lusa”.

“Todo este investimento obedece a uma lógica da DHL Express para, por um lado, sermos mais eficazes, mais rápidos e também para garantir outro tipo de segurança de envio aos nossos clientes e confere outro tipo de capacidade para responder ao crescimento das exportações, ao próprio crescimento das importações e ao fenómeno das compras online”, acrescentou Josá António Reis.

O contrato hoje assinado prevê que a DHL possa estender a permanência no novo terminal até 40 anos, informou ainda José António Reis, referindo que, nos planos da empresa está concentrar no aeroporto “todas as localizações da grande Lisboa , incluindo a sede”.

A nova plataforma deverá aumentar o número de contratações entre 5 a 10%, além do que só o investimento em tecnologica representará cerca de oito milhões de euros.

À questão sobre se o novo aeroporto do Montijo foi equacionado como local de operação, o director-geral respondeu que a DHL “está, de alguma forma, a colocar os meios financeiros, mas este é um investimento da DHL e a da ANA”.

“E parece-me que seria um pouco descabido a ANA estar a contratualizar com a DHL um investimento desta natureza para que toda esta parte da carga aérea se movimentasse para o outro aeroporto”, disse.

Pela ANA, Francisco Pita comentou que este acordo representa a evolução na operação de carga, que “acompanha aquele que tem sido o crescimento do Aeroporto de Lisboa”.

A DHL Express Portugal opera no transporte expresso internacional de encomendas e documentos, servindo a totalidade do território nacional através de 10 instalações e mais de 300 service points.

A empresa tem uma equipa de 500 trabalhadores e uma frota composta por cerca de 200 veículos. Três aviões garantem diariamente a ligação de Portugal com os grandes centros operacionais em todo o Mundo.

 

Este artigo tem1 comentário

  1. A DHL esperou muitos anos para ter autorização para o seu investimento, Lisboa foi mesmo a cidade que mais anos demorou autorizar o investimento de 30 milhões, o desgoverno da Geringonça é muito incompetente adia os investimentos por isso Portugal é cada vez mais pobre !