A DHL manteve em 2018 a liderança mundial entre os transitários de carga aérea, apesar de ter perdido volume, de acordo com a Armstrong & Associates.

Segundo a consultora, a DHL registou a pior performance entre os 25 maiores transitários de carga aérea do mundo, com os seus volumes a caírem 4,4% para 2, 15 milhões de toneladas.

Em consequência, a Kuehne + Nagel, número dois mundial, ficou agora mais perto, dado que o grupo suíço aumentou os volumes movimentados em 11%, para 1,74 milhões de toneladas. Não obstante, esse crescimento foi quase metade dos 20,4% registados em 201. E a tendência de subida da Kuehne + Nagel é influenciadas pela estratégia de aquisições que a companhia tem em curso.

No terceiro posto do ranking está mais um grupo alemão, a DB Schenker, que transportou 1,3 milhões de toneladas em 2018, em linha com o ano anterior (+0,3%).

O “top” cinco é fechado por Panalpina e Expeditors, ambas acima do milhão de toneladas e que viram os seus tráfegos aumentarem 4,3% e 2,6%, respectivamente.

Os dados da Armstrong & Associates relativos aos 25 maiores transitários de carga aérea mundiais revelam que, juntos, transportaram 16,72 milhões de toneladas em 2018, mais 4,2% do que no exercício anterior. Em 2017, os 16,1 milhões de toneladas movimentados representaram um incremento de 11,1% face a 2016.

 

This article has 1 comment

  1. luís pereira

    Por culpa exclusiva do 1º MINISTRO ANTÓNIO COSTA a DHL ainda não assinou o contrato de construção HUB NO AEROPORTO DE LISBOA, espera há 9 anos !?