As linhas de transporte marítimo de contentores dominarão 85% do mercado reefer até 2021, prevê a Drewry. A quota actual é de 79%.

Drewry

A análise da consultora indica que, naquele ano, a carga marítima refrigerada superará 134 milhões de toneladas, numa subida média de 2,8% ao ano. Embora os futuros níveis de crescimento da carga marítima sejam inferiores aos da última década (3,3%), terão um efeito significativo nas companhias de transporte marítimo de contentores com capacidade refrigerada, sustenta a Drewry.

Com quase 400 novos porta-contentores com capacidade refrigerada na calha para serem entregues (e possivelmente ainda mais a confirmar), a consultora britânica analisou o efeito que isso terá, não apenas em toneladas de carga total transportadas, mas também na utilização da capacidade.

Por outro lado, a Drewry prevê que, com a frota de navios reefer em redução, não apenas diminuirá o seu volume de carga transoprtada, mas também a sua quota de mercado.  Actualmente, os navios reefer especializados representam apenas cerca de 5% da capacidade total de transporte refrigerado, mas transportam quase 21% da carga marítima perecível total.

“Inevitavelmente, apesar de ainda transportarem um volume desproporcional de carga, tanto as toneladas de carga como a quota de mercado desse modo [de transporte] estão em queda”, indica a consultora.

O relatório de Drewry adverte também para uma potencial falta de contentores refrigerados. A consultora lembra a propósito que isso já sucedeu no Brasil e na Europa e que é um problema para o sector.

 

 

 

Os comentários estão encerrados.