A Ecoslops duplicou no primeiro semestre a produção de combustível naval e betão leve a partir de resíduos petrolíferos na sua refinaria de Sines.

Ecoslops Sines

Com uma capacidade instalada de cerca de30 mil toneladas/ano, a refinaria (P2R) de Sines produziu entre Janeiro e Junho 12 200 toneladas, valor que compara com as 6 050 toneladas de há um ano.

Ao mesmo tempo, as vendas praticamente triplicaram, tendo passado de 3 700 para 9 700 toneladas. A empresa sublinha, aliás, que a alteração no mix da produção permitiu vender produtos de maior valor, pelo que a evolução do volume de negócios será anda superior.

Os resultados financeiros do primeiro semestre serão divulgados no próximo 27 de Setembro.

Desperdícios aproveitados a 98%

Os “slops” tratados na unidade de Sines resultam, quer do armazenamento e utilização do combustível para o funcionamento dos navios, quer, no caso dos cargueiros de granéis líquidos, dos resíduos de produtos (crude e refinados, entre outros) que ficam nos tanques.

A Ecoslops detém o exclusivo da recolha dos óleos residuais no porto de Sines, por via de uma subconcessão outorgada pela CLT (Grupo Petrogal), concessionária do terminal de granéis líquidos e da recolha dos óleos residuais.

Na “P2R” os “slops” ganham “uma segunda vida”, pois, em vez de serem incinerados, como é a prática corrente, são reciclados como combustível para os navios.

No primeiro semestre, a taxa de reciclagem dos resíduos atingiu os 98%.

A experiência portuguesa – a “P2R” de Sines é a primeira do mundo – já atraiu o interesse de outros portos e petrolíferas. A Ecoslops está a desenvolver projectos nos portos de Marselha e Antuérpia, além do Canal do Suez e da Costa do Marfim.

Mini-refinarias para portos mais pequenos

A Ecoslops está, entretanto, a realizar os estudos técnicos e económicos para a implantação de mini-“P2R”, refinarias mais pequenas, com uma capacidade  de produção entre as 4 000 e as 8 000 toneladas/ano, passíveis de serem implementados em portos de menores dimensões.

A ideia é tirar partido do know-how existente para criar um mercado novo a nível mundial e garantir uma nova fonte de receitas estável, através da venda de equipamentos e de consultoria.

 

 

Os comentários estão encerrados.