Afinal, os modernos navios são, ou não, mais eficientes que os de há 20 anos? A ICS diz que sim e rejeita os argumentos da Transport & Environment e da Seas at Risk, entidades que acusa de terem usado de forma selectiva as conclusões da consultora CE Delft.

Newbuilds-10-Less-Fuel-Efficient-than-in-1990-320x155

A ICS (Câmara Internacional da Marinha Mercante), que representa 80% da marinha mercante mundial, garante que o design dos navios modernos tem foco na eficiência, pelo que consomem muito menos combustível do que antes.

De acordo com o “Tanker Operator”, os números da Organização Marítima Internacional indicam que o transporte marítimo reduziu as emissões e o consumo de combustível em mais de 10% entre 2007 e 2012.

A ICS salienta ainda que os navios modernos, construídos com base no Índice de Projecto e Eficiência Energética (EEDI, de Energy Efficiency Design Index, na sigla em inglês) das Nações Unidas, que vigora desde Janeiro último, são projectados para serem 10% mais eficientes do que o nível de referência da IMO. Em 2030, a obrigatoriedade de maior eficiência será de 30%.

O conselheiro político da Seas at Risk, John Maggs, já respondeu à contestação da ICS. “As conclusões da CE Delft baseiam-se nos dados da IMO. A ICS precisa agora de levar os resultados a sério e mostrar-nos por que os objectivos EEDI não devem ser revistos”, afirmou.

» Estudo contradiz eficiência energética dos novos navios

Comments are closed.