Um grupo de empresários espanhóis, reunidos na Air City Madrid Sur, quer criar um segundo aeroporto na capital espanhola, complementar a Barajas.

Novo aeroporto de Madrid será 100% privado

 

Esta nova tentativa de criar um segundo aeroporto em Madrid passa pela ampliação do aeródromo de Casarrubios del Monte (Toledo), a cerca de 30 quilómetros a Sudoeste da capital.

O objectivo dos investidores é que as obras arranquem em 2020 e representem um investimento inicial de 148 milhões de euros, sendo o aeroporto aberto em 2023.

A previsão é que, ao cabo de dez anos, o novo aeroporto de Madrid opere 55 mil voos anuais com sete milhões de passageiros.

Os promotores da iniciativa indicam que o processo administrativo com as autoridades locais de Madrid e Castilla-La Mancha (o espaço ocupa áreas das duas “jurisdições”). A estrutura já tem, naturalmente, autorização de espaço aéreo.

Javier Ruedas, CEO da Air City Madrid Sur, garante, citado pelo “El País”, que “o Estado [espanhol] não colocará um euro sequer” no investimento, lembrando que as instalações já têm licença de espaço aéreo.

Complementar a Barajas

O executivo lembra que o aeroporto de Barajas fechará este ano com mais de 54 milhões de passageiros e que está, por isso, “perto do seu limite”, estabelecido em 70 milhões, segundo o plano director do aeroporto.

A Aena planeia, porém, expandir essa capacidade para 80 milhões de passageiros em 2026.

A Air City Madrid Sur realça também que Madrid é a única grande capital europeia que não tem um segundo aeroporto no raio de 120 quilómetros e recorda que Barcelona-El Prat tem Girona a essa distância. Em caso de problemas no espaço aéreo em Madrid, os aviões têm de ser desviados para Saragoça ou Valência, de acordo com a companhia.

Ciudad Real falhou

A avançar, esta será a segunda tentativa de dotar Madrid com um segundo aeroporto.

A primeira foi feita com o aeroporto de Ciudad Real, que também apostou nas companhias low cost e para onde chegou a estar projectada uma estação de Alta Velocidade.

Facto é que ali apenas se realizaram alguns voos da Ryanair e a infra-estrutura entrou em falência, num processo que ainda se arrasta e que já consumiu milhões de euros de dinheiros públicos.

 

 

This article has 1 comment

  1. Vejam a humilhação para Lisboa que nem sequer está a conseguir aumentar e ampliar o seu aeroporto e ainda não tem hub de carga aérea das 2 maiores empresas !!