Governo de Madrid justifica reflexão com a crise económica e com as iniciativas semelhantes de países vizinhos.

O governo espanhol confirmou, formalmente, aos membros do Comité Nacional de Transporte Rodoviário a intenção de analisar a criação de taxas de circulação rodoviárias para os pesados.

A Fenasdimer (Federação Nacional das Associações de Transporte de Espanha) divulgou uma carta que o director do Gabinete Económico da Presidência do Governo enviou ao Comité e na qual se justifica a decisão.

“Como o Comité Nacional de Transporte Rodoviário conhece, existe desde há algum tempo em todos os países nossos vizinhos um debate aberto sobre o financiamento das infra-estruturas de transporte, tanto para a criação de novas infra-estruturas como para a conservação e manutenção”, é dito.

Madrid confirma, por isso, que “no actual contexto de crise económica e alterações profundas no modelo de crescimento espanhol, este debate adquire especial importância. Espanha, como o assinalou o ministro do Fomento, não pode e não deve subtrair-se a ele, e por isso se abriu uma reflexão sobre a questão”, acrescenta a carta.

A reflexão será feita também no âmbito da análise que Bruxelas está a fazer da directiva Eurovinheta.

As associações representativas dos transportadores rodoviários de mercadorias espanhóis já se manifestaram contrárias a qualquer aumento da fiscalidade que incide sobre o sector e ameaçaram avançar para a greve.

A questão preocupa também os transportadores portugueses, obrigados que são a cruzar o território espanhol para atingirem os destinos/origens do Norte e Centro da Europa.

Os comentários estão encerrados.