Madrid e Paris lançaram ontem um novo apelo à apresentação de interessados nas futuras AE ferroviárias dos corredores Atlântico e Mediterrâneo.

O objectivo é, claro, obter manifestações de interesse, mas também, ou sobretudo, ouvir o que os potenciais operadores dos novos serviços têm a dizer sobre as necessidades/constrangimentos técnicos, operacionais, financeiros e económicos da montagem e exploração dos serviços de “ferroutage”.

O prazo para a apresentação das manifestações de interesse estende-se até ao próximo dia 16 de Julho. Podem apresentar-se operadores de transporte combinado, operadores de auto-estradas ferroviárias, operadores de terminais, investidores, promotores/gestores de terminais, carregadores ou transportadores, entre outros.

A partir dos dados recolhidos será possível às autoridades dos dois países avaliarem da viabilidade dos serviços pretendidos e da eventual necessidade de apoios públicos ao seu arranque.

Anteriormente, ainda em 2017, foram realizadas consultas semelhantes junto de construtores de material circulante.

As AE ferroviárias pretendidas deverão ligar Irun-Bordéus-Paris, no Corredor Atlântico, e Barcelona-Avignon-Lyon, no Corredor Mediterrâneo. Em ambos os casos trata-se de eixos sobrecarregados no tráfego internacional rodoviário de mercadorias.

Medway quer “ferroutage”

Recorde-se que por cá a Medway já por mais de uma vez manifestou o interesse em lançar serviços de “ferroutage” para lá dos Pirinéus. Uma missão impossível, ao que parece, pelo menos enquanto não forem resolvidas as limitações de “gabarit” de alguns túneis existentes  em Espanha. Carlos Vasconcelos, líder da empresa, já apelou ao governo português para sensibilizar Madrid para a resolução do problema. Talvez seja desta.

 

Os comentários estão encerrados.