A Adif Alta Velocidad adjudicou mais um contrato para a linha de Alta Velocidade que há-de ligar Madrid à fronteira com Portugal, e daí até Lisboa.

AV Madrid-Fronteira

Um consórcio formado pela Bombardier, a Alstom e a Indra ganhou o contrato de fornecimento dos sistemas de sinalização e comunicação, e da respetiva manutenção durante 20 anos, do novo troço de Alta Velocidade Plasencia-Cáceres-Badajoz.

O contrato tem um valor total de 164 milhões de euros: 77 milhões para a Bombardier, 62 milhões para a Alstom e 25 milhões para a Indra.

A Bombardier instalará o sistema ERTMS Nível 2 nos 164 quilómetros de extensão do troço. Por sua vez, a Alstom será responsável pelo sistema de encravamento electrónico Smartlock300 e a Indra implementará o seu sistema Asfa.

 

Mais sete cidades espanholas com AVE

Entretanto, a linha de Alta Velocidade de 162,7 quilómetros que liga Madrid a Palência e León, via Valladolid, será inaugurada já na próxima terça-feira (dia 29), segundo o anúncio feito ontem pela ministra do Fomento de Espanha, Ana Pastor, num evento do Nueva Economia Forum.

A governante adiantou que a Alta Velocidade ferroviária servirá mais sete cidades nos próximos tempos: além de Palência e Leon, na próxima semana, também Burgos, Zamora, Múrcia, Castellón e Granada deverão ficar ligadas à Alta Velocidade ainda este ano.

De acordo com Ana Pastor, a dotação orçamental do país vizinho para o sistema ferroviário no período 2012-2016 ascende a 25 900 milhões. Desde 2012, entraram ao serviço 360 quilómetros de linhas de Alta Velocidade.

Para 2016, a ministra adiantou que continuarão as obras nos vários Corredores (Noroeste, Mediterrâneo, Norte, Nordeste e Sul), na linha Madrid-Extremadura-Fronteira com Portugal e no túnel em bitola europeia entre as estações de Atocha e Chamartín, em Madrid.

This article has 1 comment

  1. O AVE está cada vez mais próximo da fronteira do Caia, entre Badajoz e Elvas, em Portugal, a caminho de Lisboa em 2019/2020, para transportar mercadorias a curto / médio prazo e passageiros a mais longo prazo