Com mais uma greve nos portos espanhóis no horizonte, os estivadores portugueses representados pelo Sindicato dos Estivadores e da Actividade Logística (SEAL) avisam que não operarão navios que sejam desviados do país vizinho, entre 30 de Maio e 19 de Junho.

Estivadores - Espanha

“Face aos desenvolvimentos das formas de luta dos nossos companheiros, como resposta à reincidência criminosa do governo espanhol em atacar os estivadores profissionais, o SEAL – Sindicato Nacional dos Estivadores emitiu um pré-aviso de greve em que reafirma a sua total solidariedade para com a justa luta dos estivadores em Espanha”, lê-se no comunicado divulgado a propósito.

O objectivo é evitar que a operação dos navios desviados fragilize “o impacto da greve em Espanha”.

Os estivadores espanhóis convocaram uma greve para o período de 24 de Maio a 9 de Junho, em protesto contra a aprovação pelo governo de Madrid de uma nova lei do trabalho portuário. A paralisação no país vizinho acontecerá às segundas, quartas e sextas-feiras, às horas ímpares.

Em Portugal, o pré-aviso de greve do SEAL, a que o TRANSPORTES & NEGÓCIOS teve acesso, aplica-se a todos os portos nacionais, à excepção de Aveiro e Viana do Castelo (onde o sindicato não está representado) e vigorará entre as 8 horas do dia 30 do corrente e as 8 horas de 19 de Junho.

Já em Março, os estivadores portugueses anunciaram uma paralisação semelhante, paralisação essa que não foi avante porque entretanto os estivadores do país vizinho desconvocaram a sua paralisação.

No entretanto, e mesmo sem greves, a produtividade nos principais portos espanhóis terá caído cerca de 30% em resultado da adopção de acções de “go slow” por parte dos estivadores.

A nova legislação do trabalho portuário em Espanha pretende liberalizar o exercício da actividade o acesso ao mercado.

 

Comments are closed.