Os estivadores espanhóis prometem para a semana o anúncio de novas greves em todos os portos, em protesto contra o atraso na regulamentação da  lei que reformou o trabalho portuário, publicada em Maio do ano passado.

O principal sindicato espanhol dos trabalhadores do sector, a Coordenadora Estatal de Trabalhadores do Mar (CETM), considera que a actuação do governo “vota de novo o sector à incerteza” e “desestabiliza” uma actividade “estratégica” para a economia do país

Segundo a CETM, os trabalhadores continuam “abertos a qualquer diálogo” proposto pelo governo, desde que “seja orientado para o respeito do espírito” do Real Decreto que, dizem, prevê um ano (depois da publicação da regulamentação) “para a negociação colectiva”.

Os sindicatos de estivadores de Espanha têm manifestado, ao longo dos últimos meses, preocupação com o atraso na aprovação do regulamento, já que o prazo para adaptação dos acordos colectivos termina já na próxima segunda-feira (14 de Maio).

Segundo os sindicatos, ao longo do ano entretanto decorrido desde Maio de 2017, não foi possível negociar novos acordos precisamente por causa da inexistência do Regulamento do Real Decreto.

Governo promete celeridade

O ministro do Fomento de Madrid, Íñigo de la Serna, contesta os sindicatos e afirmou que “não faria muito sentido neste momento gerar instabilidade no sistema portuário” porque “uma situação de incerteza não ajuda em nada”.

De la Serna insistiu que o processamento do regulamento está “na fase final” e será enviado esta semana ou na próxima para o Conselho de Estado.

 

 

 

Os comentários estão encerrados.