Reunidos em Nantes, as organizações de estivadores europeus filiadas no IDC acordaram desenvolver acções conjuntas com outras organizações para combaterem o que classificam de “agressões” aos trabalhadores portuários.

Em Nantes estiveram representantes dos estivadores de Portugal, Espanha, França, Itália, Grécia, Dinamarca, Suécia e Malta, além de representantes dos portos da Holanda e das zonas da América Latina e Caraíbas, da Costa Leste e Oeste dos EUA e do Canadá do International Dockworkers Council.

Os participantes criticaram as políticas neoliberais dos governos europeus para o sector do trabalho portuário. Políticas essas que, de acordo com o IDC, visam essencialmente “a destruição das organizações sindicais portuárias, não porque o trabalho e as suas condições sejam ineficientes, mas antes porque constituem um dos poucos espaços laborais onde se mantém um equilíbrio entre as partes, graças à força e à unidade dos sindicatos do sector”.

Em particular, os presentes em Nantes contestaram as perdas de postos de trabalho portuário e a destruição dos contingentes comuns (“pools”) de estivadores ainda existentes nos portos europeus.

Assim, foi decidido, por unanimidade, “coordenar medidas de acção conjuntas com outras organizações do sector” para combater as “agressões” sofridas, em concreto, pelos trabalhadores dos portos da Grécia, de Portugal, de Tilbury e de Tanger.

O encontro de Nantes marcou também o fim do mandato de Peter Shaw como coordenador europeu do IDC. Foi substituído no cargo pelo francês Anthony Tetard.

Os comentários estão encerrados.