O presidente do Sindicato dos Estivadores rejeitou hoje as acusações de que não foram transportados medicamentos para a Madeira durante a greve no porto de Lisboa, causando rupturas de stocks, e anunciou que vai pedir averiguações ao Ministério Público, porque “alguém fez de propósito”.

Estivadores

Em audição na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, António Mariano afirmou que os estivadores carregaram [durante o período de greve] todos os contentores que se dirigiam à Madeira, considerando que a falha no envio de medicamentos “foi uma encenação” e, “como mexe com a vida das pessoas, vamos fazer intervir o Ministério Público [MP]”.

“Carregámos tudo. Até 300 automóveis por semana com destino à Madeira. Iremos pedir ao Ministério Público para averiguar isto, porque alguém fez de propósito”, declarou o dirigente sindical, explicando que os serviços mínimos decretados foram cumpridos.