Em comunicado, o Grupo ETE garante que a descarga de sucata no Terminal Multiusos do Poço do Bispo (TMPB), no porto de Lisboa, foi concluída em segurança.

ETE garantiu segurança das operações e da carga

A operação do navio Amke no terminal da margem Norte do Tejo, operado pelo Grupo ETE, foi criticada pelo sindicato dos estivadores SEAL, que alertou para o risco de poluição resultante da descarga junto ao casco urbano da capital e até para a potencial perigosidade da carga, sugerindo a possível presença de substâncias radioactivas.

Agora, o Grupo ETE garantiu que a descarga de “limalhas” ficou concluída ontem e que “foi feita de acordo com os regulamentos do Terminal aprovados pela Autoridade Portuária, que já contemplam todas as medidas de segurança, quer em termos ambientais, quer em termos operacionais”.

No comunicado emitido, o Grupo ETE refere ainda que a “carga (…) era acompanhada de todos os certificados exigidos internacionalmente, nomeadamente, de não radioactividade”, que a operação “foi sempre acompanhada pelas autoridades públicas competentes nestas matérias”, e que dos testes realizados “não resultaram quaisquer indícios, que permitam concluir que o navio Amke, transportava e descarregou no Poço do Bispo material considerado perigoso (radioactivo)”.

 

 

This article has 1 comment

  1. Os estivadores do SEAL quando não estão em greve arranjam desculpas para não ir trabalhar agora foi este amanhã outro que vergonha esta cambada de comunistas, rua.