Se tudo correr como previsto, o Corredor Internacional Sul ficará concluído no primeiro trimestre de 2022. Hoje foram lançados o concurso para os primeiros 20 quilómetros da nova Linha de Évora e os trabalhos de modernização da Linha do Leste até à fronteira.

O arranque do maior investimento de raiz na rede ferroviária nacional em mais de um século juntou no Museu de Arte Contemporânea de Elvas os primeiros ministros de Portugal e Espanha, os ministros das Infraestruturas português e do Fomento espanhol e a comissária europeia Violeta Bulc.

A ligação de Évora a Elvas/Caia, numa extensão de cerca de 100 quilómetros, completará o Corredor Internacional Sul e, na prática, fechará o Corredor Atlântico da Rede Transeuropeia de Transportes.

O investimento projectado é de 509 milhões de euros, suportados em quase 50% por fundos comunitários.

A ligação será feita em via única, em bitola ibérica (mas com travessas polivalentes), electrificada e com sistemas de sinalização e comunicações ERTMS. Ali poderão circular comboios a 250 km/hora e composições de mercadorias com 750 metros de extensão e 1400 toneladas.

A nova Linha de Évora, que ligará aquela cidade à Linha do Leste junto a Elvas, terá uma extensão de cerca de 100 quilómetros. Hoje foi lançado o concurso para a execução do primeiro troço, de 20,5 quilómetros, entre Évora Norte e Freixo. Nas próximas semanas, anuncia a Infraestruturas de Portugal, serão lançados os concursos para os dois restantes troços.

Já hoje têm início as obras de modernização da Linha do Leste, entre Elvas e Caia, numa extensão de 11 quilómetros, incluindo a ampliação da estação da cidade para permitir a manobra de comboios de mercadorias de 750 metros.

A intervenção projectada inclui ainda a construção do troço Évora-Évora Norte, num canal já existente com nove quilómetros, e a construção de uma estação técnica ao km 118 da Linha do Sul, para cruzamento de comboios de 750 metros.

A conclusão do Corredor Internacional Sul é a principal obra inscrita num Ferrovia 2020, plano que representa mais de dois mil milhões de euros de investimento na rede ferroviária nacional.

 

Este artigo tem1 comentário

  1. Parabéns ao projecto ferroviário que ligará Lisboa a Madrid através de Sines – Elvas / Badajoz, também poderia ser importante a ligação às linhas da Beira Baixa e Alta, para criar alternativa e concorrência à saturada linha do Norte para as nossas exportações