A Madeira pretende exportar este ano 40 toneladas de anona, fruto tropical de “excelência” produzido na região, recorrendo à utilização do avião cargueiro da MAIS.

“Estamos a iniciar um novo ciclo na anona”, disse Miguel Albuquerque, presidente do governo regional madeirense na 28.ª edição da Festa da Anona que decorre na freguesia do Faial, concelho de Santana, no Norte da ilha.

O governante madeirense destacou a importância da inauguração do novo centro de processamento da anona para exportação, em Fevereiro, no mercado de Santana, antevendo a exportação “neste primeiro ano, através do avião cargueiro, de cerca de 40 toneladas deste fruto”.

O avião cargueiro é o da MAIS. A previsão do governante madeirense é, assim, uma boa notícia para António Beirão, o líder do projecto que liga diariamente Lisboa e o Funchal.

Ao TRANSPORTES & NEGÓCIOS, o empresário disse que “já transportámos cerca de sete toneladas [de anona] e sei que mais virão”. “A aposta deles [produtores madeirenses do fruto] está ganha”, asseverou.

As exportações de anona são mais um contributo para equilibrar a taxa de ocupação do avião da MAIS no regresso da Madeira para os Açores. António Beirão mostrou-se, por isso, satisfeito. “Entre as cerca de 25 toneladas de pescado por semana e a anona, o voo fica bem composto. Finalmente!”.

Com a operação madeirense cada vez mais consolidada, “agora estamos na luta dos Açores”, bem mais recente, concluiu António Beirão.

 

Comments are closed.