As exportações de Portugal para a China cresceram 5,6% no ano passado, mas as importações aumentaram 8,3%. Resultado: o défice comercial agravou-se.

De acordo com dados oficiais publicados no portal do Fórum Macau, com base nas estatísticas dos Serviços de Alfândega chineses, as trocas comerciais entre Lisboa e Pequim ascenderam a 6 016 milhões de dólares (5 240 milhões de euros) no ano passado, o que corresponde a um aumento de cerca de 408 milhões de dólares, em comparação com 2017.

Portugal exportou para a China produtos no valor de 2,24 mil milhões de dólares (1,95 mil milhões de euros), e importou da China bens no valor de aproximadamente 3 769 milhões de dólares. Lisboa teve, assim, um saldo comercial negativo com o país asiático de cerca de 1 522 milhões de dólares.

Comércio com países lusófonos

Os mesmos dados indicaram que as trocas comerciais entre a China e os países lusófonos fixaram-se em 147,35 mil milhões de dólares ao longo dos três trimestres meses do ano, verificando-se um crescimento de 25,31%.

As importações por parte da China representam a maior parte deste valor: 105 506 milhões de dólares, um aumento de 30,2% face a 2017.

Por sua vez, as exportações chinesas para países lusófonos registaram um aumento de 14,4%, tendo alcançado os 41 847 milhões de dólares.

O Brasil continua a ser o principal parceiro da China no âmbito do bloco lusófono, tendo registado trocas comerciais de 110,8 mil milhões de dólares. Pequim comprou a Brasília produtos no valor de 77,07 mil milhões de dólares, mais 32% que em 2017, e o Brasil adquiriu à China bens no valor de 33,73 mil milhões de dólares, um aumento de 15,4%.

Angola surge no segundo lugar do ranking lusófono, com trocas comerciais com a China no valor de 27,75 mil milhões de dólares, com Luanda a enviar para Pequim produtos no valor de 25,51 mil milhões de dólares e a fazer compras de 2,23 mil milhões de dólares.

As trocas comerciais entre a China e Cabo Verde foram de 78,23 milhões de euros e com Moçambique foram de 2,51 mil milhões de dólares.

 

Comments are closed.