As exportações de têxteis e vestuário fecharam o primeiro trimestre de 2019 com uma quebra de 0,9% face ao período homólogo do ano passado.

UE penalizou exportações de têxteis e vestuário

Os dados das exportações foram divulgados pela Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP), a partir das estatísticas do INE.

A balança comercial dos têxteis e vestuário para o primeiro trimestre de 2019 registou um saldo de 241 milhões de euros, com uma taxa de cobertura de 122%. A categoria mais penalizada foi o vestuário (-2%), com as exportações de vestuário de malha a caírem 1,8% e as de vestuário de tecido 2,3%.

A associação realça que o abrandamento ocorre, sobretudo, devido à menor procura por parte dos mercados da União Europeia, com os destinos de fora da Europa a registarem crescimento.

A ATP realça que as vendas para mercados não comunitários aumentaram 9% de Janeiro a Março. Destaque para os EUA, para onde o sector exportou mais 11 milhões de euros, com uma taxa de crescimento de cerca de 15%, seguindo-se o Canadá, com um crescimento de cerca de 37% (acréscimo de quatro milhões de euros).

A Itália foi o segundo destino a registar maior crescimento absoluto (+5,4%, ou 4,2 milhões de euros), mas isso não evitou a queda de 2,8% nas exportações têxteis lusas para destinos comunitários. A maior queda por destino comunitário foi da Espanha (-2,7%, menos 11 milhões de euros), seguida por Alemanha (-6,5%, menos 8,2 milhões de euros) e França (-3,9%, menos 4,6 milhões de euros).

Comments are closed.