A Extremadura espanhola aposta na ligação ferroviária a Lisboa/Sines e a Madrid para sair do isolamento, e no porto de Sines para escoar os seus produtos.

CP Carga

O presidente da Junta, Guillermo Fernández Vara, diz-se satisfeito por a linha de mercadorias Sines-Évora-Caia-Badajoz ser uma prioridade para o Governo português. “Gosto de saber que não é apenas algo que se integrou [nas candidaturas ao] financiamento europeu, mas que também está entre as prioridades [do Governo]”, afirmou, em Lisboa, depois de se encontrar com o primeiro-ministro, António Costa.

O regozijo de Guillermo Fernández Vara com os planos lusos explica-se pelo facto de servir os objectivos do governo regional espanhol. Ainda na passada segunda-feira foi assinado o Pacto Social e Político pelo Caminho-de-Ferro na Extremadura, subscrito pela confederação empresarial regional e pelas centrais sindicais UGT e Comissiones Obreras. O documento reclama a electrificação da rede regional, o desenvolvimento da ligação Badajoz-Cáceres-Madrid (com os olhos postos numa futura ligação de Alta Velocidade) e o desenvolvimento de ligações para o tráfego de mercadorias entre a Plataforma Logística do Sudoeste Europeu e os portos de Sines e Valência.

O projecto da linha Sines-Badajoz integra o Programa Operacional 2014-2020 de Portugal. A prioridade é para o transporte de mercadorias mas, como lembrou o presidente da Junta da Extremadura, “se se proceder à electrificação da via, também será possível o transporte de passageiros”.

O governante espanhol anunciou ainda a intenção de promover a criação de um Conselho Empresarial Extremadura-Portugal, para fomentar o relacionamento empresarial e o desenvolvimento económico dos dos lados da fronteira.

Antes de regressar a casa, Guillermo Fernández Vara esteve ainda no porto de Sines – e visitou o Terminal XXI -, oportunidade para reafirmar a importância daquela infra-estrutura para o comércio externo da Extremadura.

Os comentários estão encerrados.