O estacionamento nas ruas de Faro voltou a ser pago, dez meses depois de os parquímetros serem desactivados. A intenção é pagar dívidas.

A gestão dos parquímetros de Faro passou para a empresa municipal Ambifaro, em finais de Junho deste ano, após uma atribulada disputa política na Assembleia Municipal – com a oposição a chumbar a transferência daquele serviço para a empresa – que se arrastou durante sete meses.

A opção de transferência da gestão dos parquímetros para a Ambifaro foi tomada com a intenção “de gerar receita para fazer o pagamento da dívida bancária existente”, desde a criação da empresa, responsável pela gestão do Mercado Municipal de Faro, eventos e equipamentos municipais, afirmou à “Lusa” o vereador Carlos Baía.

As verbas da exploração dos parquímetros serão alocadas “em 70% ao pagamento da dívida e em 30% para garantir a estrutura de gestão e novos investimentos” acrescentou.

Os autocolantes que assinalavam a desactivação das máquinas foram retirados no fim de semana. Durante as primeiras semanas haverá um período de transição, durante o qual, para além da fiscalização, “haverá uma atitude pedagógica” por parte dos funcionários, quer no que toca às zonas com parquímetros, quer nas restantes zonas da cidade, afirmou à Lusa Vanda Vicente, directora geral da Ambifaro.

Os residentes, que têm direito a isenção de pagamento de estacionamento, têm os actuais cartões válidos até ao final do ano, sendo que, a partir de Outubro, podem proceder à sua renovação ou requerer o cartão de residente.

Os preços das tarifas mantêm-se os mesmos, com um valor de 20 cêntimos na Zona A e de 10 cêntimos na Zona B, por cada fracção de 15 minutos, com um limite máximo de três horas.

A anterior aplicação para pagamento através de telemóvel deixará de poder ser usada, no entanto, a empresa municipal adianta que está a preparar “uma nova plataforma digital”, que pretende melhorar “assim que houver verba disponível”, permitindo, por exemplo, saber que lugares vagos de estacionamento estão disponíveis, em tempo real.

 

Comments are closed.