A Comissão Europeia não impôs “remédios” à FedEx para comprar a TNT, por causa da reduzida quota de mercado da nova entidade. Ainda assim, os aviões da TNT terão de ser vendidos.

FedEx

A FedEx pode avançar com a compra da TNT, negócio anunciado em Abril passado e avaliado em 4,4 mil milhões de euros. A Comissão Europeia deu o necessário acordo e, mais do que isso, não impôs condições. Motivo: a quota de mercado da entidade resultante da fusão não lhe garantirá uma posição dominante capaz de distorcer a concorrência. Pelo contrário, mesmo depois de comprar a TNT a FedEx só deterá cerca de 22% do mercado europeu de entregas expresso internacionais, menos que os 25% da UPS e quase metade dos 41% do líder de mercado, DHL.

Estamos muito satisfeitos por receber a aprovação sem condições da Comissão. Acreditamos que a combinação da TNT Express e da FedEx acrescentará valor a colaboradores, clientes e accionistas de ambas as companhias”, disse, citado pela assessoria de imprensa, o presidente regional para a Europa, David Binks.

Apesar da decisão das autoridades da Concorrência a TNT continua obrigada a vender as suas operações aéreas. Apenas porque a legislação europeia impede que as companhias aéreas sejam detidas em mais de 50% por entidades externas aos “28”.

Em Portugal, como será?

A operação de compra da TNT pela FedEx deverá concretizar-se em meados do ano que agora se inicia. Até lá, e depois disso, ambas as companhias terão de trabalhar conjuntamente para definir a nova oferta em cada mercado e em toda a Europa.

Em Portugal, dá-se o caso de a TNT ter uma estrutura própria, ao passo que a FedEx é representada, há muitos anos já, pelo Grupo Rangel.

A TNT Portugal goza de óptima reputação dentro do grupo (não é por acaso que Lisboa foi a escolhida para sede do centro de acompanhamento aos grandes clientes mundiais).

O Grupo Rangel renovou recentemente o contrato de parceria com a FedEx, sendo também o responsável pela introdução da insígnia norte-americana em Angola e, mais recentemente, em Cabo Verde.

 

 

 

 

 

 

Tags:

Comments are closed.