A Fertagus quer renovar o contrato de concessão da travessia ferroviária sobre o Tejo e admite comprar comboios para reforçar a oferta.

“Neste momento estamos a renegociar ou a trabalhar no âmbito do reequilíbrio da concessão, mas ainda não temos novidades nenhumas para dar”, disse à “Lusa” Cristina Dourado, administradora executiva da Fertagus.

A responsável falava na estação do Pragal, em Almada, no distrito de Setúbal, onde a empresa celebrou os 20 anos, feitos em 29 de Julho, anunciando uma nova campanha publicitária e um novo horário para responder à procura.

“Digamos que passados 20 anos as coisas são um bocadinho novas outra vez”, disse Cristina Dourado. “Os novos desafios para a Fertagus são, fundamentalmente, definir o que vai ser o futuro e quanto tempo podemos ficar cá, como vai evoluir a procura e como é que a procura se irá adaptar à oferta que temos”, explicou.

A administradora não adiantou qual o ponto de situação quanto às negociações com o Governo, mas tudo indica que o caminho é positivo, até porque a empresa continua “a trabalhar no sentido de encontrar soluções que possam aumentar a capacidade dos comboios”, o que pode passar, inclusivamente, “pela introdução de
mais carruagens”.

“Já estamos a estudar essa matéria, estamos a estudar a aquisição de material circulante”, revelou.

A necessidade de mais oferta deve-se, sobretudo, ao novo passe Navegante, que fez com que em maio a procura tivesse crescido em “cerca de 20%”, indicou Cristina Dourado.

“Junho, Julho e Agosto foram meses de menor procura porque é Verão, mas mesmo assim tivemos mais do que no ano passado. Agora estamos a ver como será o comportamento de Setembro e Outubro, por isso começámos com um novo horário para ver como as pessoas se adaptam e para irmos ajustando e vermos quais as necessidades que temos, nomeadamente de material circulante”, esclareceu.

Uma das soluções de curto prazo para dar mais capacidade à Fertagus foi a retirada de alguns bancos em carruagens, o que, segundo o presidente do grupo Barraqueiro, Humberto Pedrosa, foi uma solução “de pessoas que têm a cabeça fresca”, até porque comprar novos comboios “demora dois ou três anos”.

A Fertagusd faz a ligação ferroviária entre Setúbal e Lisboa em 57 minutos. Transporta diariamente 83 mil passageiros, com um índice de pontualidade acima dos 94%, garante. Em 2018 foram transportados 21 milhões de
utentes.

Comments are closed.