Contra a corrente das críticas às sobretaxas de combustível, a Alphaliner vem dizer que os preços médios dos fretes de contentores, ajustados à inflação, caíram mais de metade nos últimos 20 anos.

“Embora os carregadores tenham sido rápidos em levantar objecções contra as recentes tentativas das companhias de transporte de imporem sobretaxas de combustível de emergência, uma reacção ao aumento constante dos preços dos combustíveis, poucos reconheceram as significativas economias nos preços dos fretes de que desfrutaram ao longo dos anos”, indica o relatório da Alphaliner.

A consultora indica que, medidos pelo China Containerized Freight Index, os preços caíram 20% desde 1998. É, porém, quando a Alphaliner acrescenta aos cálculos o ajuste provocado pela inflação – e recorda a consultora que os preços do bunker aumentaram mais de cinco vezes desde então – que chega aos já referidos 50% de queda nos valores cobrados pelos fretes.

A consultora acrescenta que os custos de combustível representavam apenas 8% dos custos operacionais das companhias em 1998, mas que essa percentagem ascende, no presente, a 15%. “Para contextualização, atingiu um pico de cerca de 26% em 2011, quando o custo do bunker foi excepcionalmente alto por um período de tempo prolongado”, sublinha a consultora.

“Desde então, os operadores conseguiram absorver parte dos aumentos através de iniciativas de redução de custos, incluindo o uso de navios maiores, redução da velocidade comercial e cortes no pessoal, bem como sinergias obtidas a partir de consolidações e da formação de alianças”, acrescenta o documento.

A maior parte das economias geradas pelas eficiências operacionais e organizacionais nas últimas duas décadas foi, indica a Alphaliner, passada aos carregadores na forma de preços de frete mais baixos, tanto em termos nominais como reais.

» Carregadores criticam sobretaxas de combustível

» Drewry também critica sobretaxas de combustível

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*