O Fundo Soberano de Angola vai investir 180 milhões de dólares na construção do primeiro porto de águas profundas no país, projecto a ser desenvolvido em Caio, província de Cabinda, de acordo com um comunicado ontem divulgado em Londres.

fsdea-to-invest-in-first-deep-sea-port-in-angola

A construção do porto será realizada em duas fases, a primeira das quais dará origem a um terminal com 630 metros de comprimento, ligado à costa através de uma ponte com dois quilómetros de extensão.

O comunicado adianta que o canal de acesso terá 15 metros de profundidade e que o terminal disporá de uma profundidade de 14 metros, indo a
infra-estrutura dispor de um estaleiro naval moderno, um porto seco, uma zona industrial e outra franca.

Sublinhando que este investimento permitirá criar 20 mil postos de trabalho e agregar valor, o presidente do Fundo, José Filomeno dos Santos, recorda que “os investimentos no sector industrial e nas infra-estruturas de apoio ao comércio na região a sul do Saara têm apresentado elevados
índices de lucro e resistência aos riscos associados aos países no continente africano.”

O presidente do Fundo salienta ainda que aplicar capitais em infra-estruturas marítimas e de apoio logístico e industrial em Angola permite diversificar outros investimentos nos mercados financeiros internacionais presentes na carteira do Fundo Soberano de Angola.

A agência financeira Bloomberg escreveu que o Banco de Exportações e Importações da China vai conceder um empréstimo de até 600 milhões de dólares a ser aplicado na construção do porto de Caio, cujos trabalhos estão, aliás, a ser desenvolvidos por uma empresa chinesa de construção civil.

Os comentários estão encerrados.