Inauguração oficial da AEM foi transferida de Nantes para Gijon por causa dos protestos de trabalhadores portuários gauleses.

Louis Dreyfus, presidente do grupo que ostenta o seu nome, promete para breve o anúncio do parceiro que tomará o lugar da Grimaldi na exploração da AEM entre Gijon e Nantes.

O armador francês escusou-se a adiantar nomes de potenciais parceiros, mas garantiu que a operação da nova AEM continuará a ser feita sob a bandeira da GLD Atlantique.

Entretanto, o Grupo Grimaldi ainda não anunciou publicamente a decisão de abandonar o consórcio e muito menos explicou as razões que motivaram tal atitude. Notícias não confirmadas apontam para divergências sobre a escolha do navio que está a realizar as três escalas semanais em cada sentido.

A inauguração oficial da AEM sofreu novo percalço. Adiada uma semana, por causa das agendas dos ministros de Espanha e França, acabou por ser transferida, à última hora, de Nantes para Gijon, por causa dos protestos de trabalhadores portuários no porto gaulês.

A AEM entre Gijon e Nantes é um dos dois projectos apoiados conjuntamente pelos governos de Madrid e Paris, com 30 milhões de euros cada. O Marco Pólo também apoia esta ligação com quatro milhões de euros.

O Norman Bridge cobre o percurso em 14 horas, três vezes por semana, em cada sentido. O preço para o transporte dos camiões é de 450 euros por percurso. No arranque poucos foram os veículos embarcados em ambos os sentidos. Mas os promotores mantêm-se optimistas.

 

Comments are closed.