O ministro da Economia deixou um “aviso de amigo” aos concorrentes à privatização da TAP, sugerindo-lhes que façam “o melhor esforço” para apresentar “a melhor proposta” até sexta-feira, deixando no ar a sugestão de que o Governo poderá  optar por não concretizar a privatização.

TAP - Açores

“Agora que nos estamos a aproximar da data limite para a apresentação das propostas vinculativas melhoradas, é um aviso, se quiserem, de amigo aos dois concorrentes que ainda estão nesta batalha”, declarou António Pires de Lima aos jornalistas, no concelho de São Vicente, na Madeira, onde se encontra a acompanhar a visita oficial do primeiro-ministro a esta região autónoma.

Na corrida à privatização da TAP estão Germán Efromovich, dono da Avianca e do grupo Synergy, e David Neeleman, patrão da Azul, em parceria com Humberto Pedrosa, do grupo Barraqueiro.

Referindo-se aos dois concorrentes, o ministro da Economia considerou muito importante que, nesta fase final, “façam o melhor esforço, apresentem a melhor proposta, se no final quiserem ser considerados para avaliação em Conselho de Ministros”.

Os candidatos devem apresentar “a melhor proposta a vários níveis, tanto em termos de capitalização como em termos de cumprimento do caderno de encargos que foi apresentado”, reforçou, afirmando que “este é um processo competitivo”.

Questionado sobre o que fará o Governo se nenhuma proposta de compra da TAP for satisfatória e se o processo de privatização pode cair, Pires de Lima escusou-se a responder. O ministro da Economia limitou-se a repetir a recomendação aos candidatos para que “façam o melhor esforço, apresentem a melhor proposta”, observando: “Para bom entendedor, meia palavra basta”.

Os comentários estão encerrados.