As subconcessões dos metros de Lisboa e Porto, da SCTP e da Carris deixam de fora os eléctricos e os elevadores das duas cidades, até aqui explorados por aquelas empresas. Governo e municípios procuram uma solução.

funicular-dos-guindais

A subconcessão do Metro do Porto foi assinada na quinta-feira passada e o concurso público para a subconcessão da rodoviária Carris e do Metro de Lisboa está a decorrer até 14 de Maio.

Fonte do Ministério das Economia explicou à “Lusa” que “os elevadores e eléctricos ficam de fora” dos concursos e “ainda está a ser apreciado” como vai ser feita a sua gestão, porque “são equipamentos mais voltados para o turismo do que para o transporte de passageiros”.

“Está a existir um diálogo estreito entre as duas autarquias e o Ministério da Economia para decidir o futuro da gestão dos elevadores”, acrescentou, salientando que as autarquias manifestaram interesse em discutir o assunto.

O conselho de administração da Metro do Porto assinou na quinta-feira passada com o consórcio espanhol TMB – Transports Metropolitans de Barcelona/Moventis o contrato que regula a subconcessão da operação e manutenção da rede por dez anos.

O concurso público internacional para a subconcessão do Metro do Porto e da STCP foi lançado em Agosto do ano passado.

O Governo aprovou a 26 de Fevereiro a subconcessão do Metropolitano e da Carris, em Lisboa, e os candidatos à subconcessão têm até 14 de Maio para apresentar as propostas.

Os comentários estão encerrados.