O Governo aprovou hoje, em Conselho de Ministros, as alterações ao contrato da PPP da Auto-estrada do Algarve, a última renegociação das concessões rodoviárias directas do Estado.

Portagens: Organizadores mantêm protesto de sábado contra a introdução de portagens na Via do Infante

Os novos termos do contrato representam uma poupança de 85 milhões de euros, ao longo do prazo da concessão, relativamente ao inicialmente previsto. Para isso contribui a taxa de rendibilidade garantida ao concessionário e a optimização dos níveis de operação aplicáveis.

A ajudar à poupança, mas implicando um potencial de risco, logo, de despesa, está também a assumpção pelo Estado dos custos das grandes reparações do pavimento, se e quando necessárias (até aqui, o pagamento dessas intervenções era feito antecipadamente, diluído nas rendas da concessionária).

“No conjunto, a revisão das concessões rodoviárias do Estado permitiu reduzir o custo para os contribuintes em 3,8 mil milhões de euros”, salientou o secretário de Estado Sérgio Monteiro, na conferência de imprensa no final da reunião do Conselho de Ministros.

Com a inclusão das subconcessões da Estradas de Portugal, a poupança total será de “7,2 mil milhões de 21 mil milhões de euros no tempo de vida das concessões”, afirmou, por seu turno, o ministro da Economia, António Pires de Lima.

Comments are closed.