O ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações anunciou hoje, na Figueira da Foz, que o Governo vai “brevemente” promover um congresso destinado a analisar a situação do sector portuário tendo em vista a dinamização das exportações.

O congresso, denominado ExPort, “Ex de exportações, Port de Portos”, explicou António Mendonça, decorrerá “tendo em conta a importância que o Governo atribui aos portos”, juntando representantes das administrações e das comunidades económicas associadas à actividade portuária.

O objectivo será “fazer um ponto de situação relativamente ao papel dos portos e àquilo que é importante fazer para que possam ser também agentes de dinamização das exportações”, sublinhou o MOPTC, à margem da inauguração da obra de prolongamento do molhe Norte do porto da Figueira da Foz.

A obra hoje inaugurada ficou concluída em meados do ano passado. O prolongamento do molhe Norte em 400 metros era uma velha ambição da comunidade portuária local, uma vez que melhora significativamente as condições de acesso ao porto e de permanência em segurança dos navios no seu interior.

O prolongamento do molhe Norte representou um investimento de cerca de 14 milhões de euros, incluindo a dragagem de um novo canal de acesso com mil metros de comprimentos e fundos de -7 e -8 metros.

Na sua visita à Figueira da Foz, o ministro António Mendonça inteirou-se ainda de outros investimentos feitos no “Porto Novo”, nomeadamente o prolongamento do terminal de granéis sólidos, a valorização do cais comercial e a reformulação do acesso à nova portaria, ou a reabilitação dos equipamentos afectos ao cais comercial. Sem esquecer as melhorias no porto de recreio.

No total, o plano de investimentos no porto figueirense ascende a 27 milhões de euros.

No ano passado, a Figueira da Foz bateu o recorde que datava de 2007, tendo movimentado 1,6 milhões de toneladas.

 

 

 

 

Os comentários estão encerrados.