Investir na bitola europeia sem articulação com Espanha arriscaria tornar Portugal numa “ilha ferroviária”, defendeu no Parlamento o secretário de Estado das Infraestruturas.

Os críticos do Executivo insistem no conceito de “ilha ferroviária” para ilustrar o risco de Portugal ficar isolado da Europa por persistir na bitola ibérica. Hoje, Guilherme W. d’Oliveira Martins “deu a volta” ao conceito e falou dos riscos em termos bitola UIC e os espanhóis não.

O governante, que falou no plenário no âmbito de um debate de actualidade requerido pelo PSD, sobre bitola ferroviária, garantiu que não faz sentido investir na alteração total deste parâmetro técnico da bitola ibérica, usada em Portugal, para a europeia.

“O sistema permite mudança de bitolas e esta mudança é feita rapidamente e com custos baixos. Espanha tem 87% da rede em bitola ibérica e Portugal e Espanha estão coordenados no uso de travessa polivalente nas fronteiras para permitir a alteração. A estrutura fica preparada para migrar para bitola europeia quando assim Espanha decidir”, referiu o governante.

O deputado Carlos Silva, do PSD, criticou os planos do Governo para o sector, vertidos no plano Ferrovia 2020. “Espanha irá, a partir de 2023, abandonar esta bitola e só Portugal ficará com ela numa espécie de ‘Brexit’ ferroviário”, referiu.

“Se olharmos para o investimento do Fomento espanhol, o que assistimos é a bitola europeia sobretudo nas mercadorias”, reforçou Hélder Amaral, do CDS. E questionou “quanto custa a Portugal ficar dependente apenas de tecnologia espanhola”, tendo em conta que Espanha produz a maioria dos equipamentos com essas características.

Guilherme W. d’Oliveira Martins, por sua vez, realçou que, “neste momento, seria totalmente irresponsável um investimento numa bitola que é uma miragem”.

O governante preferiu recordar a estratégia do Governo. “Estamos a falar de um plano de 2 000 milhões de euros que está em execução a 40%” e destacou o projecto que vai ligar Sines à fronteira, com um custo estimado de 500 milhões de euros.

 

Comments are closed.