No primeiro semestre, o movimento de mercadorias no porto de Leixões cresceu cerca de 900 mil toneladas em termos homólogos. Os granéis líquidos avançaram mais de um milhão de toneladas.

CLdN-Leixões-2

Em termos globais, Leixões cresceu 9% entre Janeiro e Junho deste ano, até aos 9,7 milhões de toneladas. Os granéis líquidos dispararam 34% e chegaram aos 4,3 milhões de toneladas. Noutra escala, a carga ro-ro teve um aumento de 12% e com isso terá superado as 450 mil toneladas.

De acordo com os dados divulgados pela APDL, as cargas contentorizada e fraccionada sofreram ligeiras quebras (não quantificadas). O comunicado emitido não refere os granéis sólidos, que também terão perdido terreno.

Com 4,3 milhões de toneladas movimentadas, os granéis líquidos terão recuperado o primeiro lugar entre os tipos de carga processados em Leixões, destronando a carga geral (liderada pelos contentores).

Note-se que na primeira metade de 2015, a movimentação de granéis líquidos no porto nortenho foi afectada pela inoperacionalidade da monobóia oceânica a partir de Abril, que impediu a operação de petroleiros de +100 000 DWT.

Os comentários estão encerrados.