O governo grego aprovou um projecto de lei que define as regras e prazos para que a venda da participação estatal de 51% no porto do Pireu seja efectuada em Setembro.

Porto do Pireu

A proposta de Atenas para a privatização prevê um contrato de concessão entre o Estado grego e a Autoridade Portuária do Pireu (APP) que prevê o usufruto e exploração dos direitos de superfície (terrenos, edifícios e infra-estruturas) do porto.

A propriedade dos terrenos permanecerá nas mãos do Estado, devendo a APP pagar, a título de renda, 2% da facturação.

A chinesa Cosco é indicada como a mais bem colocada para vencer a concessão. Mas deverá, agora, ter a concorrência dos dinamarqueses da APM Terminals e dos filipinos da ICTSI na “corrida”. A Cosco já opera um dos terminais de contentores do porto do Pireu, sendo o outro ainda operado directamente pela APP. A Cosco está, aliás, a ampliar os cais que opera, num projecto que vai passar a capacidade anual de 3,7 milhões para 6,2 milhões de TEU.

A China está, de resto, a investir fortemente no sector portuário grego, como parte dos 41 mil milhões de dólares (37,4 mil milhões de euros) que está a aplicar no reforço das ligações da “Rota da Seda”, entre a Ásia e o Sudeste da Europa. De acordo com as consultoras Baker & McKenzie e Rhodium, o investimento chinês na Grécia aumentou de dois mil milhões de dólares (1,82 mil milhões de euros) em 2010 para 18 mil milhões (16,4 mil milhões de euros) no ano passado.

 

Comments are closed.