A supressão da ligação da Transtejo entre Lisboa e Trafaria/Porto Brandão, a redução do horário do Metropolitano de Lisboa e o fim de mais de uma dezena de carreiras da Carris são algumas das propostas do grupo de trabalho nomeado pelo Governo para reformular a oferta de transportes públicos.

O documento intitulado “Simplificação tarifária e reformulação da rede de transportes da Área Metropolitana de Lisboa” foi apresentado na segunda-feira às autarquias abrangidas.

As propostas, às quais a “Lusa” teve acesso, indicam para o Grupo Transtejo a supressão das ligações entre Lisboa e Trafaria/Porto Brandão e a manutenção da ligação ao Montijo em dias úteis e períodos de ponta.

Sobre o Metropolitano de Lisboa, refere-se a redução dos horários em duas horas em quase toda a rede, encerrando a circulação às 23 horas, excepto no caso das ligações entre Pontinha e Amadora (Linha Azul) e entre o Campo Grande e Odivelas (Linha Amarela), para as quais se sugere o encerramento às 21h30.

Para a Carris, o grupo de trabalho propõe a reformulação da oferta actual: entre carreiras com penetrações suburbanas e nos limites da cidade, indica-se a supressão total de 15. Outros percursos sofrem alterações de horários ou encurtamentos.

A decisão de reformular a rede de transportes decorre da situação económico-financeira debilitada das empresas públicas de transportes, e do memorando de entendimento com “troika’. O objectivo é atingir o equilíbrio operacional das empresas “racionalizando custos e promovendo a eficiência”.

Comments are closed.