O Conselho Provincial de Guipúscoa pretende implementar, no fim de 2016, portagens para camiões na estrada N-1 , que conduz à fronteira de Irun. Os transportadores contestam.

Portagens - Ecoumov

O anúncio foi feito pela responsável provincial pelas infra-estruturas viárias perante o Parlamento da província basca. , Aintzane Oiarbide afirmou mesmo que a portagem naquela que é uma das estradas com mais trânsito de camiões em Espanha (liga Madrid à fronteira de Irún) é “uma das prioridades do plano estratégico” que o Conselho Provincial de Guipúscoa pretende colocar em marcha.

Sem surpresa, os empresários criticam a medida. A associação de transportadores basca Hiru defende que os operadores serão “as principais vítimas” da nova taxa, pois “não têm direito aos mesmo descontos que outros guipuscoanos”.

De acordo com a associação, a medida será mais uma ameaça para um sector que perdeu 1 200 empresas no País Basco durante a crise. A Hiru avisa, além disso, que nem com portagens os transportadores poderão deixar de usar a N-1, pois é aí que se situa a rede de oficinas e postos de abastecimentos dos veículos.

Também o Governo Regional da Navarra parece “torcer o nariz” às portagens naquele troço da estrada. A presidente do Governo Regional, Uxue Barkos, já instou os responsáveis pelo Conselho Provincial de Guipúscoa a não adoptarem a medida “de forma unilateral”. A governante pede, ainda assim, serenidade, já que ainda não há um anúncio oficial das portagens.

Comments are closed.