Mesmo se o governo de Madrid ainda não decidiu a aplicação da Eurovinheta, as autoridades de Guipuzkoa já anunciam a cobrança de portagens para 1 de Janeiro de 2012.

Atravessar o País Basco deverá ficar mais caro a partir de 2012. As autoridades de Guipuzkoa propõem-se avançar com a cobrança de portagens aos pesados de mais 3,5 toneladas que circulem na N-I, na zona de Etxegarate. Mas a medida poderá estender-se a outras estradas. A rede transeuropeia, a que se pode aplicar a Directiva Eurovinheta, integra, na zona de Guipuzkoa, a AP-8 (Bilbau-Behobia), a N-I, a A-15 (autovia de Navarra), a AP-1 (Eibar-Vitória) e a N-121 (Endarlatza). A prioridade dada à N-I terá a ver com o forte congestionamento que ali se verifica e com o facto de estarem previstas grandes obras de beneficiação da infra-estrutura. De acordo com as linhas-mestras das regras que serão aplicadas à cobrança das portagens, o valor a pagar poderá depender do horário de circulação, da época do ano, da tonelagem do veículo e das emissões poluentes e de ruído. No mínimo, é provável que haja descontos para o tráfego nocturno. Por decidir está ainda o preço a cobrar e a forma de pagamento. Sem surpresa, os transportadores rodoviários de mercadorias já se manifestaram contrários a mais este encargo. A possibilidade de conceder descontos aos transportadores locais existe, mas de acordo com a legislação comunitária não poderá ir além dos 13% do valor da tabela geral. E não pode distorcer a concorrência no mercado. A nível nacional, a CETM, a confederação dos transportadores rodoviários, lembrou, de novo, os pesados encargos que o sector já suporta: só as receitas do ISP proporcionadas pelo sector terão ultrapassado os 5,6 mil milhões de euros investidos nas infra-estruturas rodoviárias espanholas em 2009.

Os comentários estão encerrados.