Perto de cinco mil milhões de dólares é quanto poderá ter de desembolsar quem quer que queira comprar a Hamburg Süd, se a família Oetker decidir vender.

Hamburg Süd

O preço poderá ser de resto, um dos principais obstáculos à realização do negócio, sublinha a Alphaliner. Os navios e contentores da Hamburg Süd terão um valor contabilístico de 2,2 mil milhões de dólares. E a companhia não praticamente dívida. O que equivale por dizer que quem quiser comprar terá de fazer uma oferta em dinheiro.

A Maersk Line foi a primeira a ser apontada como potencial interessada.

A Alphaliner lembra, porém, que também a CMA CGM poderá entrar na corrida, depois de recentemente ter “engolido” a APL. Recorde-se, aliás, que a companhia francesa antecipou o pagamento do empréstimo contratado para a compra (mediante operações de venda e leaseback de navios). Todavia, lembra a consultora parisiense, a CMA CGM continua assoberbada por uma dívisa de 9,6 mil milhões de dólares.

A OOCL será mesmo o melhor parceiro para a Hamburg Süd, sustenta a Dynamar, que antes afasta as hipóteses Maersk Line, Hapag-Lloyd ou Coscon.

A consultora holandesa sublinha a propósito a quase perfeita complementaridade entre as duas operadora. Na prática, sustenta, ambas coexistem apenas na Australásia.

A acontecer a venda da Hamburg Süd e, logo, a sua integração noutra companhia, prosseguirá o movimento de concentração no sector de que são exemplos, no passado recente, a integração da Cosco e da CSCL, da CMA CGM e NOL/APL, da Hapag-LLoyd e UASC e ainda dos negócios do transporte marítimo de contentores da NYK, MOL e K Line.

Comments are closed.