A Hapag-Lloyd deverá começar a ser cotada nas Bolsas de Frankfurt e Hamburgo no próximo dia 30, na sequência da dispersão de 15,7 milhões de acções, que espera rendam 300 milhões de euros (e não já 400 milhões como inicialmente previsto).

Hapag-Lloyd

A companhia alemã apresentou ontem o prospecto da IPO, onde descrimina que dos 15,7 milhões de acções para venda, correspondentes a cerca de 10% do capital, 11,5 milhões destinar-se-ão a novos investidores e os restantes 4,2 milhões serão repartidos entre a Kuehne Maritime e a CSAV, que assim reforçarão as suas posições de principais accionistas.

Quanto ao intervalo de preços de venda das acções, ele está fixado entre os 23 e os 29 euros.

No prospecto, a Hapag-Lloyd sublinha a evolução favorável da performance da empresa no primeiro semestre, quando atingiu lucros de 157 milhões de euros (depois de anos de perdas), mas também alerta para a degradação do mercado em que opera.

Antecipando os resultados do terceiro trimestre, a companhia anuncia que a tarifa média caiu 7,7% em Julho e Agosto, tendo mesmo afundado 13,6% nos tráfegos Ásia-Norte da Europa.

Em consequência, naqueles dois meses o resultado líquido da Hapag-Llloyd ter-se-á ficado por uns magros 2,1 milhões de euros. E o resultado trimestral poderá mesmo ser negativo, uma vez que é opinião generalizada que o mercado se degradou ainda mais em Setembro.

Os interessados em comprar acções da Hapag-Lloyd nesta IPO têm até ao próximo dia 27 para darem as suas ordens.

Os comentários estão encerrados.