A Hapag-Lloyd prevê que os preços médios dos fretes aumentem em 2017 em relação ao ano passado. Os responsáveis pela companhia alemã esperam, de resto, melhorar a rentabilidade este ano à “boleia” desse aumento.

Hapag-Lloyd

“As taxas de frete ainda estão instáveis ​​no início de 2017”, referiu, em conferência de imprensa com analistas, o CEO da Hapag-Lloyd, Rolf Habben Jansen. “Mas precisamos de preços de frete mais altos para termos sucesso”, acrescentou.

A companhia registou um preço médio de frete de 1 036 dólares por TEU no ano passado, uma queda de 15,4% em relação a 2015.

Uma das razões para o aumento dos preços médios em 2017 será a subida do bunker, que deverá ter custos por tonelada entre 275 e 300 dólares (253 a 276 euros) este ano, contra 210 dólares (193,3 euros) em 2016.

A Hapag-Lloyd anunciou, na semana passada, os resultados do ano passado. A companhia registou uma perda líquida de 93,1 milhões de euros em 2016, depois de um lucro de 113,9 milhões em 2015. De acordo com os responsáveis, os ganhos na actividade core foram insuficientes para compensar as perdas com os baixos preços médios dos fretes.

 

Os comentários estão encerrados.