O volume de mercadorias transportado pela Hupac aumentou 12,3% no primeiro semestre de 2016 para um total de 376 519 unidades de transporte, anunciou a empresa.

Hupac

 

O operador suíço de transporte combinado registou o maior crescimento de tráfego no corredor transalpino através da Suiça (mais 20,2% em termos homólogos para 231 793 unidades de transporte. Já os movimentos através da Áustria e de França caíram 10,4% e 14,1%, respectivamente.

O tráfego não-transalpino subiu 4% face ao período homólogo do ano passado, atingindo as 124 640 unidades..

A companhia lançou, no primeiro semestre de 2016, as rotas Venlo-Busto Arsizio, Zeebrugge-Novara e Roterdão-Brescia. Aumentou, além disso, as frequências nas rotas Colónia-Novara e Duisburgo-Busto Arsizio. Reestruturou ainda a rede na Polónia e melhorou a rota Áustria-Hungria-Roménia-Balcãs.

A Hupac está a concentrar esforços no mercado de mega-reboques nas rotas transalpinas, com 70 partidas semanais entre Itália e Roterdão, Zeebrugge, Antuérpia, Colónia, Ludwigshafen, Lübeck e Taulov. E a oferta será reforçada no segundo semestre. O arranque das operações com mega-reboques no túnel de São Gotardo está previsto para 2020.

Na apresentação dos resultados, a Hupac salienta o crescimento conseguido num tempo em que o preço do gasóleo baixou (favorecendo o transporte rodoviário) e o euro se depreciou face ao franco suíço.

Melhorar a performance da infra-estrutura

Ainda assim, a competitividade futura do transporte ferroviário está dependente de reformas estruturais, de acordo com Bernhard Kunz, director-geral da operadora de transporte combinado.

“Saudamos o princípio de cobrança de taxas com base na performance prevista na Directiva da UE 2012/34”, afirma, citado em comunicado.

“Este conceito tem como objectivo motivar os operadores de infra-estruturas e as companhias ferroviárias com incentivos para minimizarem paragens e melhorarem a performance do sistema ferroviário. Esperamos que os países-membros da UE apliquem rapidamente este princípio. É do interesse de todos nós melhorar significativa e permanentemente a qualidade dos serviços ferroviários de transporte de mercadorias”, defende Bernhard Kunz.

 

 

 

 

 

 

 

 

Tags:

Os comentários estão encerrados.