A IATA reviu em alta a previsão de lucros do sector do transporte aéreo em 2014. E com a descida do petróleo nos mercados internacionais a ajudar, em 2015 os ganhos serão ainda mais gordos.

A IATA prevê que as companhias aéreas fechem o ano com um lucro líquido agregado de 19,9 mil milhões de dólares (16,1 mil milhões de euros), quando em Junho a previsão era de 18 mil milhões dólares (14,5 mil milhões de euros).

A associação atribui a melhoria das previsões à descida do preço do petróleo nos mercados internacionais, aliada ao crescimento do PIB mundial.

Esta realidade leva, aliás, aquela entidade a prever para o sector um lucro líquido de 25 mil milhões de dólares (20,2 mil milhões de euros) em 2015.

As companhias da América do Norte garantirão mais de metade dos lucros esperados para o sector a nível mundial: 11,9 mil milhões de dólares este ano e 13,2 mil milhões no próximo. Seguir-se-ão as operadoras da Ásia-Pacífico, com 3,5 mil milhões de dólares em 2014 e cinco mil milhões em 2015.

Na Europa, o sector do transporte aéreo deverá atingir lucros de 2,7 mil milhões de dólares no ano corrente e chegar aos quatro mil milhões no próximo. Mas a IATA insiste no alerta para os custos de regulação e fiscais e para os problemas com as infra-estruturas.

As companhias do Médio Oriente lucrarão 1,1 mil milhões de dólares e subirão para os 1,6 mil milhões em2015. A América Latina passará dos 700 milhões de lucros para os mil milhões. E em África o sector atingirá o break-even, para lucrar 200 milhões de dólares no próximo ano.

“As perspectivas do sector estão a melhorar. A economia global continua a recuperar e a queda dos preços do petróleo deve reforçar a retoma no próximo ano”, afirma o director-geral e CEO da IATA, Tony Tyler, citado pela sua assessoria de imprensa.

No entanto, avisa, os 25 mil milhões de dólares de lucros estimados para 2015 representarão uma margem de apenas 3,2%. “O cenário para a indústria é amplamente positivo, mas há uma série de riscos no ambiente global: agitação política, conflitos, e algumas economias regionais fracas. E a margem de lucro líquido de 3,2% não deixa muito espaço para uma deterioração no ambiente externo antes de os lucros serem afectados”, acrescenta.

Na carga, a IATA prevê um crescimento dos volumes de 4,5% em 2015 (um pouco acima da subida de 4,3% prevista para 2014). O negócio de carga aérea tem tido desempenhos em queda e aumentando a concorrência desde 2011. A mesma entidade indica que a procura aumentou nos tempos mais recentes, mas avisa que este continua a ser um negócio difícil. O custo real do transporte de mercadorias em 2015 deverá cair 5,8%.

No total, cerca de 53,5 milhões de toneladas de carga serão despachadas por via aérea em 2015 e as receitas totais da actividade deverão aumentar para 63 mil milhões dólares (51 mil milhões de euros). A IATA avisa, porém, que aquele valor é, ainda assim, cerca de 5% menor do que em 2010.

Comments are closed.