O IDC (Conselho Internacional de Trabalhadores Portuários) ameaça mobilizar os seus associados, especialmente na Europa, contra as alegadas práticas anti-sindicais em Leixões.

Estivadores contra práticas anti-sindicais em Leixões

Na sequência das denúncias do SEAL – que motivaram a paralisação de 24 horas nos portos nacionais, na passada sexta-feira – o IDC avisou, numa declaração pública, que caso a situação perdure mobilizará os trabalhadores de outros portos europeus para pressionar as linhas de navegação que escalam em Portugal, e em particular em Leixões.

O IDC faz suas as queixas do SEAL e denuncia as alegadas práticas persecutórias e discriminatórias de que serão alvo os trabalhadores portuários que, em Leixões, pertencem, ou pretendem pertencer, ao sindicato nacional dos estivadores.

Greve cumprida e outra no horizonte

Os 530 trabalhadores filiados no SEAL cumpriram, a 100% segundo o sindicato, a greve de 24 horas , entre as 8 horas de sexta-feira, e as 8 horas de sábado,  contra as alegadas práticas anti-sindicais, em particular em Leixões e no Caniçal.

Resultado: os portos de Lisboa, Setúbal, Figueira da Foz e Praia da Vitória pararam completamente.

No Caniçal, o SEAL denunciou a alegada tentativa de substituição dos trabalhadores grevistas, o que motivou a intervenção da Polícia Marítima e da Inspecção-Geral do Trabalho. Os movimentos realizados foram poucos.

Em Leixões, os relatos divergiram, entre a normalidade e graves atrasos nas operações.

Para 13 de Agosto está já agendado o arranque de nova greve, agora por quatro semanas, até 10 de Setembro. A paralisação visa apenas o trabalho suplementar, mas nem por isso deixará de ter efeitos.

 

Este artigo tem1 comentário

  1. Todas as noticias e imagens em relação a Leixões não correspondem á verdade do dia da greve.