O maior investimento dos últimos 100 anos na ferrovia em Portugal começou hoje, com a adjudicação da construção de um troço de 20 quilómetros do Corredor Internacional Sul. Seguir-se-ão mais cerca de 60.

A Infraestruturas de Portugal adjudicou hoje ao consórcio Comsa / Fergrupo / Constructora San Jose a construção dos 20,5 quilómetro de linha férrea entre Évora Norte e Freixo. A obra custará 46,6 milhões de euros e deverá estar concluída em 540 dias (cerca de ano e meio).

Este é o primeiro dos três troços em que foram divididos os cerca de 80 quilómetros que distam entre Évora Norte e a Linha do Leste, e que hão-de completar o Corredor Internacional Sul, de ligação do porto de Sines (mas também Setúbal e Lisboa) à fronteira do Caia.

O Corredor terá uma extensão de 170 quilómetros (100 dos quais de linha nova) e permitirá reduzir a distância entre Sines e a fronteira em cerca de 140 quilómetros e o tempo de percurso de 3h30. A capacidade de transporte de mercadorias mais do que duplicará com a possibilidade de circulação de comboios de 750 metros.

O contrato de adjudicação foi assinado em Redondo, na presença do primeiro ministro e do ministro do Planeamento e Infraestruturas.

Na hora dos discursos, António Costa salientou ser este o maior investimento na ferrovia em Portugal nos últimos 100 anos e uma “oportunidade para que as empresas aqui se fixem e possam ver nesta infra-estrutura uma melhor oportunidade de, instalados no Alentejo, terem melhores condições de exportar para a Europa ou exportar para todo o mundo a partir do Porto de Sines”.

O contrato hoje assinado respeita à empreitada da construção do troço Évora Norte/Freixo da nova ligação ferroviária entre Évora Norte e Elvas. Ficam a faltar os troços Freixo/Alandroal e Alandroal/ Linha do Leste.

Ferrovia 2020 “executado a 40%”

O ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, garantiu hoje que a taxa de execução do Ferrovia 2020 se situa nos 40%, o que permitirá atingir os dois mil milhões de euros de investimento previstos.

 

“O Ferrovia 2020, a meio do seu percurso de execução, tem cerca de 40% das suas obras em fase de execução. É completamente razoável, normal, e é aquilo que nos vai permitir que, chegados ao fim do programa tenhamos, de facto, os dois mil milhões de euros de investimento realizado”, disse.

O governante sublinhou ainda que o investimento público nesta área vai continuar.

“Qual foi o resultado em 2018? aumentamos 80% o investimento público em ferrovia, comparado com o ano anterior (2017). E este ano tem que subir mais e vai subir mais nos próximos anos também até à conclusão do programa, porque, naturalmente, é um programa de grande ambição de investimento”, sublinhou.

“A ferrovia é, de facto, a grande prioridade no actual ciclo de investimentos em infra-estruturas”, acrescentou.

» LER MAIS

 

This article has 1 comment

  1. Sim, o país constrói-se com homens de vista para frente e ouvidos abertos para o bem ficar perto das comunidades. Parabéns e bom trabalho a mobilidade humana e bens, que veio melhorar a qualidade de vida daquela região.