A entrada em vigor da nova ecotaxa rodoviária na Bélgica correu mal, como muitos previam. A IRU defende um período de transição.
Transportistas-a-la-espera-del-dispositivo-necesario-para-conducir-en-Bélgica

A Bélgica iniciou no passado dia 1 a cobrança da ecotaxa rodoviária, de base quilométrica, que substitui a Eurovinheta vigente (de base temporal). Mas os problemas foram mais que muitos. Relatos dão conta de longas filas de espera para o registo dos dispositivos electrónicos de bordo (OBU) imprescindíveis para o cálculo e pagamento das taxas. E também de problemas com o funcionamento do sistema.

Em alguns pontos ter-se-ão mesmo verificado confrontos entre motoristas de diferentes nacionalidades, em desespero com os atrasos que chegaram às cinco horas.

Como se isso não bastasse, os transportadores belgas, também abrangidos pelo novo sistema, realizaram várias acções de protesto, com bloqueios de estradas e marchas lentas.

Perante tudo isto,a IRU pede a suspensão da ecotaxa, sublinhando que o sector do transporte rodoviário de mercadorias fez todos os possíveis para preparar-se a tempo para a introdução do sistema, enquanto as garantias das autoridades belgas de que tudo estaria a postos no dia 1 de Abril não foram cumpridas.

O novo sistema de ecotaxas de base quilométrica deverá render cinco vezes mais receitas aos cofres belgas do que a anterior Eurovinheta horária.

Os comentários estão encerrados.