No imediato, a Latam, resultante da fusão da chilena LAN com a brasileira TAM, manterá o seu hub europeu em Madrid. Mas a situação poderá mudar já no próximo ano, quando a companhia terá de escolher entre a One World e a Star Alliance.

A LAN integra a One World e a TAM faz parte da Star Alliance. Como é impossível uma mesma companhia participar em alianças rivais, a Latam tem um ano para optar entre alinhar com a British Airways e a Iberia ou aliar-se à Luftansa.

No imediato, a Latam manterá o seu hub europeu em Madrid – Barajas, onde a LAN opera voos em code share com Iberia para a América Latina. A nova companhia inclusivamente já nomeou o representante da LAN na capital espanhola como responsável pela expansão europeu.

No horizonte estão o reforço das operações em Espanha, com voos a partir de Barcelona – El Prat, e o lançamento de uma mão cheia de rotas para destinos do Velho Continente.

Caso a Latam opte pela One World, isso representará um importante reforço da posição da Iberia, e de Madrid – Barajas, no tráfego aéreo entre a Europa e a América Latina.

Ao invés, a escolha pela Star Alliance enfraquecerá Espanha e beneficiará a Alemanha – ou Portugal – nas relações com a América do Sul. Tudo dependerá também do que acontecer com a privatização da TAP.

A Latam é a terceira companhia (depois da BA-Iberia e da AF-KLM) nas ligações entre a Europa e a América Latina. A entidade resultante da fusão opera uma frota de 310 aviões, transportou cerca de 60 milhões de passageiros, e realizou um volume de negócios de 13 mil milhões de dólares.

 

Comments are closed.