O porto de Le Havre prevê continuar a crescer este ano, nomeadamente com o aumento do tráfego reefer para o Brasil e as exportações de vinho para os EUA.

Em 2010, Le Havre movimentou 2,4 milhões de TEU, número que compara com os 2,2 milhões de TEU verificados em 2009. E assim manteve o primeiro lugar no ranking dos portos franceses, com uma quota de cerca de dois terços.

O crescimento na movimentação de contentores deveu-se em boa parte à captação de novos serviços entre a Ásia e a Europa, operados nomeadamente pela Maersk Line, CMA CGM, Hanjin Shipping ou The New World Alliance.

Os números poderiam ter sido talvez ainda melhores não se desse o caso de a actividade portuária ter sido várias vezes perturbada, ao longo do ano, pelas greves de protesto contra a reforma do trabalho portuário e a privatização dos terminais implementada pelo governo de Sarkozy.

As perspectivas para 2011 são positivas, de acordo com a autoridade portuária, que destaca o crescimento do tráfego de cargas refrigeradas com o Brasil e lembra o aumento das exportações de vinho para os EUA (dois milhões de garrafas no ano passado).

Ao invés do verificado nos contentores, o movimento global de cargas em Le Havre cedeu 5% em 2010, para os 70 milhões de toneladas, essencialmente por causa das menores descargas de crude.

Os comentários estão encerrados.