Novo terminal multiusos acrescenta cinco hectares e mais de 200 metros de cais acostável ao porto de Leixões.

É oficial. Leixões dispõe a partir de um agora de mais um terminal multiusos, que a administração portuária pretende, logo que possível, afectar aos serviços de short sea shipping e às Auto-Estradas do Mar.

O investimento ascendeu a 20 milhões de euros. O novo terminal localiza-se junto ao Molhe Sul do porto, zona até há poucos anos abandonada e onde agora cresce também a bom ritmo o novo terminal de cruzeiros.

O novo terminal dispõe de uma rampa ro-ro de 26 metros de largura e de um cais com 155 metros de comprimento, ambos com fundos de -8,5 metros. A obra, pensada e realizada em linha com a criação do novo terminal de cruzeiros, implicou ainda a construção de um cais de avanço do molhe Sul com 310 metros e fundos de -8,5 metros e de um cais com 50 metros e fundos de -5 meetros e a criação de uma nova rampa de varadouro.

Os inertes retirados com as dragagens foram utilizados na consolidação do terrapleno de apoio ao terminal, com uma área de cinco hectares.

Com esta nova infra-estrutura – a maior obra de construção promovida pela APDL desde os anos 80 – a APDL aposta no desenvolvimento dos tráfegos ro-ro e na criação de condições favoráveis ao surgimento de AEM. O novo terminal está “separado” dos demais, ao contrário do que acontece com a rampa ro-ro existente no cais Norte.

No imediato, e nos próximos anos, o novo terminal multiusos estará sob a gestão da APDL, mas é intenção da autoridade concessioná-lo, como aconteceu com os demais.

A inauguração do terminal multiusos marcou a edição deste ano do Dia do Porto de Leixões. Um dia em que o porto abriu de novo as portas à comunidade.

Além do terminal multiusos, a APDL tem em curso a obra do novo terminal de cruzeiros e da plataforma logística. Investimentos de cerca de 250 milhões de euros, em tempo de crise, como fez questão de salientar o ministro António Mendonça.

Os comentários estão encerrados.