Nos três trimestres, o porto de Leixões movimentou 10,96 milhões de toneladas, que comparam os 10,85 milhões de há um ano. Em Setembro, o saldo foi mesmo negativo, essencialmente por causa dos granéis líquidos.

No espaço de um mês, de Agosto para Setembro, o porto de Leixões viu os seus ganhos acumulados reduzirem-se de 4% para apenas 1% Apenas a carga contentorizada e a carga fraccionada se mantêm acima da linha de água: a primeira avança ainda 8%, para os 3,67 milhões de toneladas, e a segunda ostenta um ganho de 40% para as 413 mil toneladas.

A pesarem no outro prato de balança estão os granéis, com uma quebra de 4%: para os 5,3 milhões de toneladas nos líquidos, e para os 1,5 milhões nos sólidos.

Em Setembro, Leixões movimentou 1,12 milhões de toneladas, o que representou um “afundanço” de 16% relativamente ao mês homólogo de 2009. Principal responsável deste mau resultado foi a queda de 30% na movimentação de granéis líquidos, de 710 mil toneladas, há um ano, para pouco mais de 496 mil agora.

Os granéis sólidos também estiveram em baixa (menos 15,8%), com 178 mil toneladas movimentadas.

A contrariar a tendência de quebra destacou-se a carga contentorizada, com um aumento homólogo de 7,7%, com 420,7 mil toneladas movimentadas.

O movimento de contentores subiu 5% nos nove primeiros meses do ano, para os 357 483 TEU, sendo que o resultado de Setembro (39 607 TEU) foi praticamente igual ao de há um ano.

Os comentários estão encerrados.