As obras para o aumento da capacidade da linha ferroviária do Sena de 6,5 milhões para 20 milhões de toneladas/ano deverão ficar concluídas ainda no decurso deste primeiro semestre, disse o director provincial dos Transportes e Comunicações de Sofala, Moçambique.

Linha do Sena

Hélcio Canda garantiu ao “Notícias”, de Maputo, que as obras – adjudicadas ao consórcio português Mota-Engil/Edvisa (Grupo Visabeira) – cumprem “todas as normas internacionais para obras deste tipo”. Isto depois de intervenções anteriores, a cabo de um consórcio indiano, não terem resultado.

A empreitada, iniciada em 2013 e  com um custo estimado em 163 milhões de euros, consiste no prolongamento das linhas de cruzamentos de 750 para 1 500 metros em todas as estações, a fim de permitir a circulação de comboios de 100 vagões puxados por seis locomotivas cada, contra os actuais 42 vagões rebocados por duas locomotivas, no transporte de carvão.

Faz ainda parte do caderno de encargos da empreitada a melhoria das pontes ferroviárias a fim de as dotar de capacidade para aguentar cargas maiores bem como a eliminação de curvas com raio inferior a 300 metros para conferir maior segurança.

A linha de Sena liga o porto da Beira à vila carbonífera de Moatize, entre as províncias de Sofala e Tete, numa extensão total de 575 quilómetros,
incluindo o ramal Inhamitanga/Marromeu.

 

Comments are closed.